INOMAT O Instituto
Concepção e programa

Objetivos, estratégia e metas

Principais linhas de pesquisa

Detalhamento do programa de formação de pessoal qualificado

Ações de transferência do conhecimento

Grupos e Equipes

Interação com grupos internacionais

Geração de propriedade intelectual

Coordenação/Comitê gestor

Localização
DETALHAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PESSOAL QUALIFICADO


O programa de formação de pessoal qualificado tem duas componentes: 1) atuação dos seus membros no interior de organizações (universidades, associações, empresas) já existentes ou fazendo parcerias; 2) através de atividades próprias, de iniciativa e execução do Instituto.

As parcerias e a atuação em cursos e atividades já existentes é rápida e efetiva, evitando duplicações de esforços e a competição desnecessária, que pode ser predatória. Por isso, o programa de formação deste Instituto está apoiado nos programas de pós-graduação e de graduação das universidades participantes, que estão em diferentes estágios de desenvolvimento mas estão todos com indicadores crescentemente positivos. A contribuição do Instituto a estes programas será feita através da atuação dos seus membros nos cursos de suas instituições e do intercâmbio de professores e estudantes, oferecendo disciplinas de pós-graduação e cursos curtos nas instituições nas quais se situam os diferentes laboratórios associados e a outras instituições com as quais se venha a estabelecer colaboração no futuro próximo. O número de estudantes de pós-graduação vinculados ao Instituto é de 55, com um crescimento previsto de 30% durante o período de execução do projeto.             Quanto ao intercâmbio, serão realizadas cinco missões por ano, sendo que cada uma delas consistirá na participação de visitante em um curso de graduação ou de pós-graduação da instituição visitada.

Os responsáveis pelas atividades de pesquisa do Instituto participarão de cursos de extensão com vários parceiros, como a Sociedade Brasileira de Química (SBQ), Associação Brasileira de Polímeros (ABPol), Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais (SBPMat) e outras entidades associativas ou de classe, com uma meta de dez participações por ano.

Por outro lado, o Instituto oferecerá cursos e atividades de treinamento próprias, especialmente do tipo “hands-on”, ou seja, treinamento em técnicas avançadas ou de implantação recente: microscopia, espectrometria de massa, química de sólidos e outras afins às suas atividades de pesquisa, sempre que houver necessidades que não possam ser conciliadas com os calendários e normas das universidades. Portanto, estes cursos terão caráter suplementar, não competindo com cursos regulares de graduação ou pós-graduação.

O Instituto oferecerá cursos próprios e programas de treinamento em Materiais Complexos Funcionais, anualmente, voltados para profissionais de empresas e de órgãos públicos das esferas federal, estadual e municipal. Essas atividades serão intensivas, com duração de dois dias cada uma, sendo oferecidas em diferentes localidades – totalizando 10 cursos em cinco anos. Nesses casos, será sempre buscada a parceria com outras organizações que contribuam para superar uma grande barreira, que é a divulgação para o público-alvo. A estimativa é de atingir um total de 400 matrículas, nestes cursos.

Será montado um curso de ensino à distância, sobre Materiais Complexos Funcionais, que será oferecido uma vez por ano, para interessados de todo o país e de outros países de língua portuguesa. Esse curso será montado durante o primeiro ano de execução do projeto passando a ser oferecido no segundo ano. Para que receba boa divulgação serão buscadas parcerias com entidades associativas, conselhos profissionais e sindicatos. A meta é atingir 800 matrículas.

Uma atividade que receberá muita atenção será o treinamento de estudantes, de graduação e de pós-graduação, em leitura, interpretação e redação de patentes. Esse assunto tem sido muito cultivado pelos membros do Instituto e os estudantes já formados se destacam pelo fato de, muitos deles, serem co-inventores em patentes depositadas e, alguns, já perceberem royalties ou trabalharem no desenvolvimento de suas invenções. No primeiro ano do projeto será montado um curso curto à distância sobre patentes, utilizando a experiência já existente nesta equipe. O curso será oferecido a partir do segundo ano, tendo como meta atingir 500 matrículas.

A oferta de treinamento por este Instituto é viabilizada pelo fato de ele conseguir manter equipes com alta qualificação técnica, de forma estável, graças ao uso de muitos mecanismos de captação de recursos e ao forte apoio institucional. Isto permite até mesmo responder a demandas feitas por outros, de oferta de treinamento em técnicas sofisticadas, como as microscopias de sonda elétrica. Já durante a elaboração deste projeto, o laboratório do Prof. F. Galembeck recebeu para treinamento dois cientistas do CETEC, de Belo Horizonte, para um estágio de treinamento nestas técnicas que foi muito proveitoso. Este laboratório pode oferecer este estágio, solicitado pelo CETEC, porque conta com dois equipamentos diferentes e quatro pessoas bem experientes na técnica, uma das quais (Rubia F. Gouveia, aluna de doutorado) acaba de ter aceito um artigo sobre problemas de calibração do microscópio Kelvin, no Journal of Physical Chemistry B. Portanto, o treinamento é baseado não apenas no domínio da técnica, mas também em pesquisa realizada na fronteira do conhecimento atual.

Outro exemplo é o laboratório do Prof. M. Eberlin que também tem recebido número importante de profissionais de empresas, especialmente da Petrobrás, e funcionários da Polícia Federal e outras repartições públicas estaduais e federais, para serem treinados em técnicas de espectrometria de massas de alta resolução, aplicadas às áreas de saúde, alimentos, ambiente e controle de substâncias ilícitas. Nesta mesma linha, o laboratório do Prof. O.L. Alves, em várias oportunidades, recebeu técnicos de várias universidades para serem treinados nas técnicas de Infravermelho com transformada de Fourier e Micro-tomografia de raios X aplicadas aos materiais.

INOMAT na Unicamp
Consulte Nanoriscos LQES.


1
 ©2009 Inomat                    página principal     1
1